domingo, 20 de março de 2011

HT (RÁDIO) E O SEU USO



RÁDIOS DE COMUNICAÇÃO E O  SEU USO NA MONTANHA
por Maurício "Tonto" Clauzet






Começo de conversa...


Vamos estar falando de algo que mudou muito nos últimos anos, com a popularização dos telefones celulares. Pode até parecer antiquado estar falando de rádios HT em uma época onde constantemente ficamos sabendo de notícias onde o celular salvou acidentados em uma greta no Cerro Tronador, foi por ele que os companheiros chamaram o resgate para o companheiro, que recentemente caiu de muito alto (e sobreviveu!) no Garrafão, PN Serra dos Órgãos. Sem dúvida o celular é de muita valia, e realmente mudou (e ampliou) o panorama da rádio-comunicação nas montanhas. Agora, quando estamos falando de expedições ao Everest, Denali, Aconcágua e outras quebradas por aí afora, os rádios nunca estiveram tão em moda, uma vez que na maioria das vezes as forças armadas possuem infra estrutura de rádio para emergências nessas áreas remotas, mas a telefonia celular convencional ainda está bem longe (só por satélite).


Introdução


Vamos falar das principais 2 faixas de frequência usadas:






VHF e UHF -
Quando falamos de VHF ou de UHF, estamos falando de um espectro bem amplo de frequências.
No VHF estão as transmissões de rádio FM, alguns canais de TV, aviões, rádio amadores, comunicações públicas, como polícia, bombeiro, exército, etc. É também comumente encontrada na montanha, na sua faixa destinada aos rádio amadores.
No UHF estão além da faixa para rádio amadores alguns canais de TV, links entre centrais telefônicas, toca de dados (aquelas parabólicas de Furnas no Couto), LPs para provedores internet, os celulares....
A maioria dos HT é VHF ou UHF, e operando nas faixas para rádio amadores e arredores. O UHF é preferido em ambientes urbanos e salas fechadas e interiores, pois tem boa reflexão em concreto e construções. O telefone celular opera na faixa UHF entre 800 e 900Mhs.
No entanto, na montanha, no campo, é mais comum se utilizar o VHF. O UHF tem uma reflexão da onda pior que o VHF em folhagens, gelo, rios, etc. Para entender porquê, basta observar o micro ondas: as ondas que ele emite para esquentar o alimento são UHF, que são absorvidas bastante apenas pela água, sendo refletida pelos demais materiais. O UHF tem como vantagem que sua antena é um pouco menor (sua onda é na faixa de 70cm) do que a de VHF 2m
No entanto, para operar um rádio VHF ou UHF no Brasil e em alguns países nas frequências de rádio amador você precisa ter uma licença, o COER, conhecido também como "indicativo".
O indicativo é como o seu RG na rádio comunicação, e toda sessão de comunicação deve ser iniciada com a troca de indicativos de todos. 
A licença de rádio amador pode ser Classe A, B e C . A mais simples de tirar é a Classe C, e que te dá direito de operar  em VHF 2m, de 144 a 148Mhs. Já a Classe A  (inclui até teste prático de telegrafia!?!?!?), e de dá direito de usar várias faixas de frequência e bastante potência. Os classe A são aqueles malucos com umas torres e antenas enormes no quintal e que se divertem falando com Japão.
No nosso caso, a Classe C dá direito à frequência que mais nos interessa como montanhistas, o VHF 2m FM.








O desenvolvimento atual e principais tipos existentes


As repetidoras são estações colocadas em pontos estratégicos, bem alto, e que recebem o sinal em uma frequência e ao mesmo tempo o retransmitem com uma grande potência em outra frequência. Essa diferença entre a frequência de entrada e saída é conhecido como Offset, regulagem disponível em todos rádios, inclusive HTs. É meio padronizado o offset de 600Khz. Assim, através de uma repetidora, é possível conversar com companheiros em outras cidades mais de 150Km distantes usando um HT com apenas 5w de potência, coisa que faço com frequência aqui em Analândia.
As repetidoras são mantidas do bolso de rádio amadores e clubes, e você não paga absolutamente nada pelo seu uso. Retribua sempre com respeito e cordialidade essa "gentileza" de ter uma repetidora à disposição sem custo algum. O uso de repetidoras é estritamente restrito a pessoas com indicativo.
Na comunicação sem o uso de repetidoras, de um HT para o outro, a distância depende muito do relevo. Se houverem muitas montanhas entre os 2 rádios, usando 5W de potência você pode não passar de 3Km de alcance. Agora, se você está em um local alto, sem nenhum acidente geográfico "entre" os rádios, o alcance pode ser de mais de 100Km. O grande limitador de alcance do HT é o tamanho da antena. O ideal seria que ela tivesse algo próximo a 1m, mas como não dá... a redução faz que haja uma certa perda na potência. Se você conecta o seu HT em uma antena VHF de carro ou doméstica, você claramente percebe o ganho muito maior.
O rádio "na escuta" gasta pouca bateria quando comparado ao momento onde está transmitindo. Assim, um bom rádio deve permitir que você regule no mínimo 3 níveis de potência de saída, de forma usar sempre a menor potência necessária, economizando assim bastante bateria. Em geral os HTs tem de potência máxima 5W e alguns poucos chagam a 7W. Não se esqueça que quanto mais potência, mais rapidamente vai a bateria.


O desenvolvimento atual e principais tipos existentes


No nosso caso, é interessante comprar um modelo "splash proof" (à prova de respingos) e ter um saquinho estanque para salvar o rádio quando a situação fica "molhada".
Existem dezenas de fabricantes, e os mais conhecidos são Yaesu, Keenwood, Motorola, Icon....
   Da Keenwood gosto do th22 e th23.
   Da Yaesu o ft10 e ft11.
   Da Icon tem um que é velho mas é um tanque de guerra com 7W que é o IC2-GAT.
Existem acessórios de toda sorte, de recarregadores rápidos a head phones com microfone e transmissão ativada por voz.
Espere pagar por um HT desses, sem acessórios, entre 180 e 300US$ em Nova York.


Outras Questões


A maioria dos rádios quando você compra novo, limita a faixa de operação do rádio para faixa para rádio amadores, de 144 a 148Mhz (é faixa pra caramba, uma vez que se pode variar a frequência a cada 0,005Mhz).
No entanto, em alguns países, se faz uso de frequências um pouco acima disto em alguns campo base, entre 150 e 160Mhz. Todos estes rádios, tem uma "manha" para "abrir a frequência" e liberar a operação do rádio nessas frequências próximas da faixa de rádio amador. Acho uma providência interessante para quem quer fazer um uso do rádio em expedições no exterior "abrir o rádio". Coisa que um técnico de assistência técnica desses rádios sabe fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário